Contracepção oral e fatores de risco em mulheres brasileiras: revisão integrativa

Reinan do Carmo Souza, Grasiely Faccin Borges, Denise Machado Mourão

Resumo


A proposta desse estudo foi realizar uma revisão integrativa para analisar o conhecimento, o uso e a exposição das mulheres brasileiras a fatores de risco durante a contracepção com anticoncepcionais hormonais orais – AOH. Trata-se de uma revisão integrativa, onde foram utilizadas as bases de dados LILACS, SCIELO e BVS, na busca de referências que focassem o comportamentos de risco e uso de AOH, os efeitos adversos provenientes do uso continuo de AOH e a relação entre o uso de AOH e fatores de risco. Grande parte dos estudos analisados confirmaram comportamentos de risco, como uso de AOH sem prescrição médica, utilização simultânea de bebidas alcoólicas e a pílula, usuárias tabagistas, uso de AOH de emergência indiscriminado e uso de AOH na presença de contraindicações, entre as mulheres que optam pelo método.


Palavras-chave


Anticoncepcional oral, contracepção, fator de risco

Texto completo:

PDF

Referências


Bataglião EML, Mamede FV. Conhecimento e utilização da contracepção de emergência por acadêmicos de enfermagem. Esc Anna Nery 2011;15(2):284-90.

Tzankova V, Petrov V, Danchev N. Impact of oral contraceptives and smoking on arterial and deep venous thrombosis: a retrospective case-control study. Biotechnol 2010;24(3):2026-2030.

Bahamondes L, Pinho F, Melo NR, Oliveira E, Bahamondes MV. Fatores associados à descontinuação do uso de anticoncepcionais orais combinados. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Rev Bras Ginecol Obstet 2011; 33(4):303-9.

Callai T, Daronco F, Konrad NL, Wichmann JF, Cosa F, Prezzi SH. Tabagismo e uso de anticoncepcionais orais relacionados a fenômenos tromboembólicos: relato de caso e revisão de literatura. Reprod Clim 2017; 32(2):138-144.

Brito MB; Nobre F, Vieira CS. Contracepção hormonal e sistema cardiovascular. Arq. bras. cardio 2011; 96(4):81-89.

United States. Population Reference Bureau. Family planning worldwide – 2008 Data Sheet. Washington (DC): Population Reference Bureau 2008.

Conard J, Plu-Bureau G, Bahi N, Horellou MH, Pelissier C, Thalabard JC. Progestogen-only contraception in women at high risk of venous thromboembolism. Contraception 2004; 70 (6):437-41

Corrêa DAS, Mendes MSF, Mendes MS, Malta DC, Melendez GV. Factors associated with the contraindicated use of oral contraceptives in Brazil. Arq. Faculdade Hig. Saude Publica Univ. São Paulo 2017; 51(1):1-10.

Rott H. Thrombotic risks of oral contraceptives. Curr Opin Obstet Gynecol 2012; 24(1):235-24.

Christo PR, Carvalho GM, Neto APG. Trombose de seios venosos cerebrais: Estudo de 15 casos e revisão de literatura. Rev. Assoc. Med. Bras. 2010; 56(3):288-292

Maia HO. Trombose venosa profunda num membro superior em mulher a fazer anticoncepcional oral e com trombofilia hereditária – Factor V Leiden. Rev. Port. Med. Geral Fam. 2015; 31:121-124

Melo SCCS, Prates L, Carvalho MDB, Marcon SS, Pelloso SM. Alterações citopatológicas e fatores de risco para a ocorrência do câncer de colo de uterino. Rev. Gaúcha Enferm. 2009; 30(4):602-608

Coelho VG, Caetano LF, Liberatore RDR Jr, Cordeiro JA, Souza DRS. Perfil lipídico e fatores de risco para doenças cardiovasculares em estudantes de medicina. Arq Bras Cardiol. 2005; 85(1):57-62

Almeida APF, Assis MM. Efeitos colaterais e alterações fisiológicas relacionadas ao uso contínuo de anticoncepcionais hormonais orais. Rev. Eletrôn. Atualiza Saúde 2017; 5(5):85-93.

Leite IC, Gupta N. Assessing regional differences in contraceptive discontinuation, failure and switching in Brazil. Reprod Health 2007;4(6):1-10.

Grossman D, White K, Hopkins K, Amastae J, Shedlin M, Potter JE. Contraindications to Combined Oral Contraceptives Among Over-the-Counter Compared with Prescription Users. Obstet Gynecol 2011; 117(3): 558-565.

Américo CF, Nogueira PSF, Vieira RPR, Bezerra CG, Moura ERF, Lopes MVO. Rev. Latino-Am. Enfermage 2013;21(4):922-934

Gomes PD, Zimmermmann JB, Oliveira LMB, Leal KA, Gomes ND, Goulart SM, Rezende DF. Contracepção hormonal: uma comparação entre pacientes das redes pública e privada de saúde. Ciênc. saúde coletiva 2011;16(5):2453-2460.

Borges ALV, Fujimori E, Hoga LAK, Contin MV. Práticas contraceptivas entre jovens universitários: o uso da anticoncepção de emergência. Cad. Saúde Pública 2010;26(4):816-826.

Alves, AS; Lopes, MHBM.Uso de métodos anticoncepcionais entre adolescentes universitários. Rev. bras. Enferm 2008;61(2):170-177.

Felipe TB, Juliato PT, Abjaude SAR, Silva NR, Rascado RR. Avaliação do conhecimento sobre os contraceptivos orais entre as universitárias. Rev. Univ. Vale Rio Verde 2013;11(1): 58-67.

Sousa MCR, Gomes KRO. Conhecimento objetivo e percebido sobre contraceptivos hormonais orais entre adolescentes com antecedentes gestacionais Cad. Saúde Pública 2009; 25(3):645-654.

Minanni CA, Chekin G, Nokano CGY, Ribeiro AL, Magalhães J, Tamanhas S et al. Conhecimento contraceptivo no puerpério precoce e seu uso efetivo após seis meses. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo 2009;54(3):94-99.

Mendes SS, Moreira RMR, Masrtins CBG, Souza SPS, Matos KS. Saberes e atitudes dos adolescentes frente à contracepção. Rev. paul. pediatr 2011; 29(3):385-391.

Nunes CR, Abreu AMOW. Processo inflamatório na aterosclerose. Vértices 2012; 14(1):53–69.

Steckert ANP, Nunes SF, Alano GM. Contraceptivos hormonais orais: utilização e fatores de risco em universitárias. Arq. Catarin. Med 2016;45(1):78-92.

World Health Organization (WHO). Criterios médicos de elegibilidad para el uso de anticonceptivos. 4ª ed 2012; 142p. 6.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde sexual e saúde reprodutiva. Brasília 2013. 300p.

Lima ACS, Martins LCG, Lopes MVO, Araújo TL, Lima FET, Aquino PS, et al. Influence of hormonal contraceptives and the occurrence of stroke: integrative review. Rev Bras Enferm 2017;70(3):647-55.

Hamani Y , Sciaki-Tamir Y, Deri-hasside R, Miller TP, Milwidsky UM , Haimov RK. Misconceptions about oral contraception pills among adolescents and physicians. Hum Reprod 2007; 22(12):3078-3083.

Castro JF, Rodrigues VMCP. Conhecimentos e atitudes dos jovens face à contracepção de emergência. Rev. Esc. Enferm 2009;43(4):889-894.

Soares VCG, Benassi JM. O consumo de bebidas alcóolicas entre estudantes universitárias e o conhecimento dos riscos entres uso combinado com contraceptivos orais. Rev Inst Ciênc Saúde 2009;27(4):366-73.

Pomp ER, Rosendaal FR, Doggen CJM. Smoking increases the risk of venous thrombosis and acts synergistically with oral contraceptive use. Am J Hematol 2008; 83(1):97-102.

Lobo RA, Romão F. Hormônios sexuais femininos e trombose venosa profunda. Rev. bras. Angiol. Cir. Vasc 2011;7(4):208-214

Moreira AM, Rabenhorst SHB, Holanda ARR, Pitombeira MH. Fatores de risco associados a trombose em pacientes do estado do Ceará. Rev. Bras. Hematol. Hemoter 2009; 31(3):132-136.

Stegeman BH, Bastos M, Rosendaal FR, Vlieg AH, Helmerhorst FM, Stijnen T, Dekkers OM. Bernardine H. Different combined oral contraceptives and the risk of venous thrombosis: systematic review and network meta-analysis. Bmj 2013; 347(1):1-12.

Shufelt CL, Merz CNB. Contraceptive hormone use and cardiovascular disease. J Am Coll Cardiol 2009;53(3):221-31.

Evangelista DR, Moura ERF, Costa CBJS, Bezerra CG, Valente MMQP, Sousa CSP. Conhecimento e prática anticoncepcional de mulheres portadoras de Diabetes Mellitus. Esc. Anna Nery Rev. Enferm 2014; 18(3):441-447.

Farias MR, Leite SN, Tavares NUL, Oliveira MA, Arrais PSD, Bertoldi AD, et al. Utilização e acesso a contraceptivos orais e injetavéis no Brasil. Ver Saúde Pública 2016; 50(2):1-10.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.